Novos métodos docentes

Aqui, oferece-se uma descrição breve e resumida de alguns métodos novos e de especial utilidade para o desenvolvimento de competências e a promoção da autonomia e da aprendizagem significativa. Estes métodos se baseiam nos processos de ensino e aprendizagem desenvolvidos em temas diversificados e respondem ao objetivo de que a formação do professor deve estar dotada de ações concretas para colaborar com a prática na aula

Por Lenaldo da Silva* | Adaptação web Tayla Carolina

Portfólio – definição

O portfólio é um método de ensino, aprendizagem e avaliação que consiste no fornecimento de produções de diferente índole por parte do estudante, através das quais se podem julgar suas capacidades no marco de um componente curricular.

Essas produções informam do processo pessoal seguido pelo estudante, permitindo-lhe — e aos demais — ver seus esforços e conquistas, em relação aos objetivos de aprendizagem e critérios de avaliação estabelecidos previamente. O portfólio, como modelo de ensino-aprendizagem, fundamenta-se na teoria de que a avaliação marca a forma como um estudante aborda sua aprendizagem.

A pasta do estudante responde a dois aspectos essenciais do processo de ensino-aprendizagem, implica toda uma metodologia de trabalho e de estratégias didáticas na interação entre docente e discente; e é um método de avaliação que permite unir e coordenar um conjunto de evidências para emitir uma avaliação o mais ajustada à realidade, que é difícil de adquirir com outros instrumentos de avaliação mais tradicionais que fornecem uma visão mais fragmentada.

Utilidade

O potencial que tem o portfólio para identificar habilidades complexas contribuiu para seu uso alargado em diferentes âmbitos. A pasta é usada na educação, mas é uma ideia importada de outros âmbitos profissionais: artistas, fotógrafos e arquitetos, para mostrar o melhor de seu trabalho.

 

→ Mauricio de Sousa: uma vida dedicada aos quadrinhos

Objetivos

• Guiar aos estudantes em sua atividade e na percepção de seus próprios progressos;
• Estimular os estudantes para que não se conformem com os primeiros resultados, mas que se preocupem por seu processo de aprendizagem;
• Destacar a importância do desenvolvimento individual e tentar integrar os conhecimentos prévios na situação de aprendizagem;
• Ressaltar o que um estudante sabe de si mesmo e em relação ao curso;
• Desenvolver a capacidade para localizar informação, para formular, analisar e resolver problemas.

Processo de elaboração

Embora a estrutura formal de um portfólio que avalia a aprendizagem de um aluno possa a ser muito variada e dependa dos objetivos marcados em cada área curricular, podem-se diferenciar as seguintes partes em sua elaboração:

1. Uma guia ou um índice de conteúdos que determinará o tipo de trabalho e estratégia didática, que pode estar totalmente determinado pelo professor ou mais aberto a uma direção por parte do estudante;

2. Uma seção introdutória ao portfólio, que detalhe as intenções, crenças e ponto de partida inicial de um tema ou área determinada;

3. Temas centrais que formam o corpo da pasta e que contêm a documentação selecionada pelo aluno que mostra a aprendizagem conseguida em cada um dos temas selecionados;

4. Uma seção de encerramento, como síntese da aprendizagem em relação aos conteúdos ministrados.

Além disso, na escolha de um portfólio, há que concretizar todos estes aspectos:

Autoria e audiência da pasta; conteúdos a desenvolver; objetivos e competências; estrutura e organização específica; critérios de avaliação.

 

*Lenaldo da Silva é docente, pesquisador das áreas de Letras e Educação, com foco para a Formação de Professores

 

Para ler esse texto na íntegra, compre a revista Conhecimento Prático Língua Portuguesa – Ed 68